O filho gostoso da minha empregada

Click to this video!

Oi, eu sou a Lidia (nome ficticio), tenho 26 anos, meu cabelo é loiro natural, sou um pouco alta, tenho 1,70, olhos castanhos, peitos médios meio grandes e uma bunda durinha pq faço academia. Sou formada em moda e trabalho fazendo desenhos p/ marcas não mt famosas.
Moro sozinha num apê e tenho uma empregada que desde quando eu era pequena ela fazia serviço na casa da minha mãe, como ela é mt amiga e de confiança, contratei ela pra continuar fazendo faxina de vez em quando no ap.
Este relato aconteceu em setembro do ano passado
Era uma quinta-feira a tarde, a Cátia (empregada) me ligou e foi logo falando
-Lidinha, oi minha nega, então fia, sabe o Maycon meu filho? Minha irmã tá doentinha, posso levar ele pro serviço amanhã? Não tenho com quem deixar ele, ele já é mocinho mas não quero deixar ele sozinho aqui
Respondi que não tinha problema e que os dois sempre seriam bem vindos em casa a qualquer momento.
Fiquei tentando resgatar na memória, mas eu não lembrava a idade do filho dela, ela tinha levado ele na casa da minha mãe quando ela trabalhava mas eu não lembrava muito bem, eu era mais nova, mas lembro que era um menininho negro e comportado.
No dia seguinte, sexta, a Cátia chegou por volta das 8h, eu abri a porta e dei um abraço nela, logo reparei que atrás dela tinha um moço alto, devia ter quase 2 metros de altura de tão grande, era negro, tinha trancinhas estilo jogador de basquete, olhos cor de mel e um sorriso muito lindo, parecia feliz em me ver.
-Bom dia moço, posso ajudar?
Ele fez cara de confuso e começou a dar risada, Cátia logo olhou pra minha cara e disse
-Lidinha, cê não tá reconhecendo o Mayquinho né, tá um moço, já tem 17 aninhos
Fiquei com cara de espanto, o moleque tinha 17 anos e parecia ter a minha idade… Mas dei um sorriso pra disfarçar, abracei e ele agachou pra me dar um beijo na bochecha e os dois entraram em casa, ele ficou sentado no sofá e eu fiz um café para nós duas, e logo fui pro meu escritório que é em um dos quartos do ap, pra checar uns emails e procurar o que fazer. Mas não tinha muito trabalho então fiquei atoa, fui me deitando na poltrona e me veio a imagem do Maycon na cabeça, ele era realmente muito lindo, alto e forte, parecia ser definido mas não tinha certeza, fui imaginando se ele tinha tanquinho ou se tinha aquela marquinha que forma um V na barriga, minha imaginação foi se soltando e eu já tava maliciando, pensando na rola dele, será que era grande e comprida ou será que era mais grossa? A porta estava fechada e eu deitei mais um pouco na poltrona, fui passando a mão no meu shorts, por cima da minha bucetinha, fui puxando pro lado junto com a minha calcinha e fui enfiando dois dedinhos pq eu já tava molhada de tanto imaginar besteira, fui respirando mais forte e cheguei a gemer baixinho alguns momentos, mas meu escritório tava um forno de tão quente pq meu ventilador tinha quebrado, eu comecei a ficar molhada de suor e aquilo tava me incomodando, então deixei a siririca de lado e fui tomar banho, avisei a Cátia, entrei no meu quarto e fui tirando a roupa, entrei no banheiro e vi que tinha a ponta de um beck na mesinha de cremes, parei e pensei, pq não né? Fechei a porta do banheiro e coloquei uma toalha no vão debaixo da porta pro cheiro não espalhar no meu quarto nem na casa, dei umas tragadas fortes e fui tomar meu banho, fumar maconha me deixa com mt tesão então eu liguei o chuveirinho na minha bucetinha e fiquei lá sentada no chão do box só aproveitando a sensação, não sei por quanto tempo eu fiquei daquele jeito, mas lembro de ter ouvido alguem chamar meu nome, mas o som vinha abafado e eu pensei que devia ser coisa da minha cabeça
Eu devo ter ficado pelo menos uns 15 minutos daquele jeito, então eu ouvi 3 batidas fortes na porta do banheiro, levantei, abri o box e fui abrir a porta, daquele jeito mesmo, nua e meio molhada do banho, achei que devia ser a Cátia então nem me importei, abri toda a porta e dei de cara com o Maycon, eu tava chapada então nem esbocei reação nenhuma, ele ficou meio sem graça e falou:
-Dona Lidia… Minha mãe pediu pra mim avisar pra senhora que ela teve que sair pra socorrer minha tia, ela piorou e teve que ir pro hospital, ela falou que vai demorar e pediu desculpas por me deixar aqui
Eu fiquei um tempo raciocinando, e disse que não tinha problema
Meus olhos estavam bem vermelhos e ele reparou que eu tinha fumado
-Dona Lidia, a senhora tá chapada?
Eu comecei a rir bastante e afirmei que sim com a cabeça, logo olhei pra baixo e realmente me dei conta de que eu estava toda pelada na frente do Maycon, eu tava louca pra dar pra ele então ofereci o resto da ponta que tinha sobrado, ele fumou o resto e logo já ficou chapado também, começamos a nos beijar, eu fiquei na ponta dos pés e puxava o pescoço dele com as mãos, ele segurava na minha cintura e foi apertando minha bunda, eu tava doidinha de tesão já, fui empurrando ele pro meu quarto, deitei ele na cama e fui tirando a sua calça e a cueca foi saindo também, ele tirou a blusa e estávamos nus, a rola dele era enorme e grossa, bem melhor do que eu tinha imaginado, peguei com uma mão e fui lambendo e chupando, enfiando o máximo que eu conseguia na minha boca, enquanto isso ele segurava meu cabelo e fazia uma leve pressão na minha cabeça, fiquei um bom tempo mamando naquele pau delicioso, até que começou a dar câimbra e eu larguei ele, minha boquinha pequena não aguentava mais, então ele se jogou em cima de mim e foi beijando toda minha barriguinha, descendo pra minha bucetinha depilada, foi enfiando a língua em mim, rodando a língua no meu clitóris que tava durinho de tesão, eu virava os olhos e gemia alto, até que ele enfiou um dedo, que dedo mais grosso, eu pedi pra ele enfiar mais um dedo, pra judiar da loirinha, então ele enfiou mais dois dedos, 3 dedos enormes socando minha bucetinha, eu delirava de tesão, arranhava o lençol, quase não conseguia respirar direito de tanto que eu gemia, eu tava quase gozando, mas queria gozar naquele pauzão, então eu falei
-Maycon, enfia o pau em mim, mete essa rola gostosa na sua loirinha
Ele subiu em mim, colocou a cabeça do pau na entrada da minha bucetinha e foi colocando devagar
-Enfia com força May, sem dó, judia da minha bucetinha
Ele atendeu o pedido e socou com força, foi entrando com dificuldade pq eu sou apertada, ainda mais praquela rola gigante, ele foi gemendo de tesão junto comigo, ele é tão grande que o peito dele ficou em cima do meu rosto, eu agarrei a bunda dele com as pernas e fui forçando pra baixo, pra ele ir mais fundo, e ele socava forte na minha xaninha que encharcava aquele pau preto
-Tá gostoso putinha branca? Deixa eu comer seu cuzinho também
Eu amo anal, aceitei o pedido dele na hora, ele tirou a rola da minha bucetinha e eu virei de quatro pra ele que nem uma cachorrinha no cio, então ele cuspiu no meu cuzinho e foi massageando com a cabecinha do pau, enfiou com força que nem fez na minha xaninha, doeu bastante, fazia tempo que eu não dava a bunda e eu gemi e chorei de dor,
-Aaah May, me machuca, me judia, seu gostoso
-Toma branquinha, engole meu pau todinho
Ele não conseguiu enfiar tudo pq meu cuzinho não aguentava mais, e foi socando o que dava daquela rola imensa, eu catei com mt esforço um mini vibrador de clitóris que eu deixei largado na cama, coloquei no meu grelinho e fui chorando e gemendo de dor e prazer
-Ah branquinha, que cuzinho apertado, eu vou gozar na sua bundinha gulosa, toma minha porra sua vadia
-Goza meu amor, goza tudo dentro de mim, me preenche todinha
Logo eu fui sentindo um orgasmo por causa do vibrador e daquela pica me arrombando gostoso, ele gozou e eu senti meu cuzinho ficar todo quente, ele gemia alto de prazer e eu também, gozamos juntos, depois ele deitou cansado na cama e eu me joguei de bruços e ficamos respirando fundo e suados de tanto foder, minha bucetinha e meu cuzinho estavam ardendo e pegando fogo, mas eu estava satisfeita finalmente.