Amante do meu Cunhado

Click to this video!

O que passo a relatar é a mais pura verdade, sou do interior de Minas Gerais, tenho 42 anos, me chamo Helena, me casei quando tinha 20 anos e fui morar no Rio de Janeiro, com o meu marido, não tivemos filhos, passei 12 anos casada e totalmente fiel, depois que o meu casamento acabou, voltei a Minas, voltei a morar na casa dos meus pais, onde mora, minha mãe e minha irmã com 34 anos, meu pai já é falecido, minha irmã que na época era solteira, sempre íamos ás festas juntas, lá cada uma arranjava o seu pá para dançar e quando uma decidia ir ao motel com o namoradinho, avisava para a outra, e assim a gente ia vivendo, até que um dia minha imã conheceu um cara e passaram a namorar, o Flávio esse seu namorado ficava me comendo com os olhos e sempre que estávamos sozinhos soltava uma indireta, aquilo ia me enchendo.
Um dia teve uma festa em minha casa e o Flávio chegou com um amigo, então ele veio me apresentar esse amigo e na maior cara de pau falou para o amigo:
– Foi uma pena eu só ter conhecido a Helena depois, pois ela sim era pra ser minha namorada.
Eu não falei nada e sai ainda com mais raiva do meu cunhado. Mas aquelas cantadas, o jeito dele me olhar, sempre que estávamos sós ele me chamava de cunhadinha gostosa, aquilo foi despertando em mim uma vontade louca de me entregar praquele safado, eu passei a me masturbar pensando nele, eu passei a imaginar como seria eu está com o macho da minha irmã.
O Flávio sabia que quando eu ia ás festas arranjava meus “Namorados”. Ele sabia que eu não era santa, e realmente eu não era, mas daí há passar a transar com o meu próprio cunhado era outra coisa.
Até que um dia eu não estava conseguindo dormir e louca de tesão resolvi ligar para o meu cunhado, então coloquei no privado e liguei, ele atendeu e eu perguntei:
– Você está só?
Ele ficou muito surpreso respondeu:
– Eu não acredito que você está me ligando! Espera, vou sair e te retorno.
Então eu desliguei e fiquei me tocando, mas evitando gozar, pois estava aguardando ele me ligar e aí sim gozar bem gostoso.
Pouco tempo depois ele me liga e pergunta o que houve? Eu apenas respondi:
– Não gostou de eu ter te ligado?
– Adorei!
Então eu falei:
– Porque você fica me cantando já que você é namorado da minha irmã?
– Você sabe que eu sempre tive tesão em você, desde o dia que eu te vi que sou louco pra te comer e fico com raiva desses caras que te comem.
– Raiva porque se você é apenas o meu cunhado e eu sou livre, posso dá pra quem eu quiser. Mas me diga o que você faria comigo?
– Eu quero te beijar, te chupar todinha, transar muito, fazer loucuras com você.
– É! E a sua namorada vai está em casa enquanto você está comendo a irmã dela é?
Ficamos um bom tempo ao telefone, tempo suficiente para eu gozar, depois nos despedimos, mas ele insistindo para marcarmos um encontro e eu falei:
– Vamos ver, quem sabe!
Desse dia em diante ficamos nos falando todos os dias pelo telefone, eu sabia que no domingo ele vinha almoçar na casa da sogra, então no domingo eu acordei, mas fiquei na cama até quando ele chegou, quando ele estavam na cozinha eu levantei e fui direto ao banheiro para tomar o meu banho, porém precisaria passar pela cozinha para chegar ao banheiro, e fui com a roupinha de dormir, um sorte de algodão bem curto e a camisetinha sem sutiã e eu tenho os bicos dos peito grandes, eles bem duros foram quase que rasgando a camisa, passei por ele e dei bom dia, falei um oi pra minha irmã e fui tomar o meu banho.
À noite quando ele me ligou, eu perguntei se ele havia gostado da forma que sai do quarto, ele falou que ficou morrendo de vontade de me agarrar, eu que já estava decidida em dá pra ele, falei:
– Marque o dia que você quer me ver.
Ele não perdeu tempo e foi logo falando:
– Amanhã à tarde!
Então eu para provocar ainda mais falei:
– Então amanhã à tarde você vai fazer o que sempre quis você vai meter rola na sua cunhadinha.
No outro dia ele chegou justamente na hora que havíamos marcado e fomos direto a um motel, fizemos tudo no nosso primeiro encontro, anal, oral, tudo.
Passamos a sair uma vez por semana e ele me comia tão bem que eu não quis mais ninguém, passamos mais de quatro meses até que minha irmã descobriu e foi àquela confusão que vocês podem imaginar, e a minha família claro, toda contra mim, mas eu não poderia mais deixa-lo, estava completamente apaixonada, ele fazia comigo o que ele quisesse fazer, gozava na minha boca e eu engolia tudo, chuva dourada, adorava gozar dentro do meu cú.
Ás brigas em casa com a minha irmã passaram a ser constante, eu não sai mais para ás festas e sempre me arrumava quando sabia que o Flávio ia chegar, então minha irmã sempre perguntava.
– Você não vai sair, não vai à festa?
E eu respondia que não, que não estava afim. Ela com muita raiva falava:
– Não está afim ou não vai sair para esperar o meu namorado?
Eu ficava calada e muitas vezes ela vinha pra cima de mim, chegando a me bater na cara me chamando de puta safada, eu começava a chorar e no fundo eu sabia que ela tinha razão, afinal eu era amante do macho da minha própria irmã, mas cada vez que ela me batia eu ficava com mais raiva e um dia eu explodi e gritando falei:
– Eu sou puta dele mesmo e cada vez que você briga é que eu fico ainda com mais vontade de dá pra ele, e o que você vai fazer, vai me matar ou matar ele? Eu estou apaixonada por ele e só o deixo se ele me deixar.
Essa situação foi passando e hoje já se passaram 06 “Seis” anos, minha irmã foi morar com o Flávio e eu continuo sendo amante dele, porém tudo bem mais calmo, muitas vezes saímos juntos para ás festas para almoçar para viajar, não foi fácil, mas hoje está tudo certo, o Flávio é casado com a minha irmã e eu sou amante fixo dele, minha irmã fala que jamais aceitará eu e ele na frente dela, mas ela sabe que temos os nossos encontros, atualmente minha irmã e eu saímos para fazermos compras juntas e claro com o “Nosso” homem bancando ás duas que somos extremamente fieis a ele.